A descoberta de uma nova célula que pode combater a maioria dos cânceres

Nova Célula T
Nova Célula T

Pesquisadores da Universidade de Cardiff (País de Gales), estavam realizando análises de sangue de um banco da região, procurando células imunológicas capazes de combater bactérias, quando descobriram um novo tipo de célula T.

Essa nova célula imune mata a maioria dos cânceres. Ela carrega um receptor nunca visto antes, que age como um gancho, agarrando-se à maioria dos cânceres humanos, enquanto ignora células saudáveis.

Em estudos de laboratório, as células imunológicas equipadas com o novo receptor demonstraram matar células causadoras de câncer de pulmão, pele, sangue, cólon, mama, osso, próstata, ovário, renal e cervical.

Segundo o professor Andrew Sewell, principal autor do estudo e especialista em células T da Faculdade de Medicina da Universidade de Cardiff, era "altamente incomum" encontrar uma célula com amplas terapias de combate ao câncer.

“A nossa descoberta aumenta a perspectiva para os tratamentos contra o câncer. Esse tipo de célula pode ser capaz de destruir muitos tipos diferentes da doença. Antes, ninguém achava que isso fosse possível. Essa foi uma descoberta acidental, ninguém sabia que essa célula existia”, contou Sewell ao The Telegraph.

Os pesquisadores ainda não conseguiram determinar o quanto é comum o novo tipo de célula T. “Pode ser bastante raro, ou pode ser que muitas pessoas tenham estes receptores, mas que por algum motivo eles não sejam ativados. Nós ainda não sabemos”, diz o professor.

A equipe de pesquisadores afirma que testes em humanos em pacientes terminais podem começar já em novembro, se o novo tratamento passar em testes de segurança laboratoriais.

 

DÊ SUA OPINIÃO SOBRE A QUALIDADE DO CONTEÚDO ACESSADO.

Clique no botão abaixo e envie uma mensagem através do formulário do nosso site.
Dessa forma, você poderá nos ajudar a melhorar nossos conteúdo e serviços, sugerindo, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Fonte:

Telegraph

O conteúdo do site, como textos, gráficos, imagens e outros materiais são apenas para fins informativos e não substitui o conselho médico profissional, diagnóstico ou tratamento.