Teresópolis registra segundo caso de meningite bacteriana em 2019

Meningite Bacteriana em Teresopolis
Meningite Bacteriana em Teresopolis

Criança de 12 anos está internada na capital fluminense

A prefeitura de Teresópolis, na região serrana do estado do Rio de Janeiro, informou ontem (28) que o município registrou seu segundo caso de meningite bacteriana em 2019. Uma criança de 12 anos que havia dado entrada quarta-feira (27) em uma unidade da rede municipal de saúde foi transferida para Instituto Fernandes Figueira, na capital fluminense, onde permanece internada.

Diante do ocorrido, a prefeitura afirma que já foram iniciados pelos técnicos da Secretaria Municipal de Saúde o protocolo do Ministério da Saúde. Estão sendo tomadas as medidas necessárias envolvendo os indivíduos que tiveram contato íntimo com a criança e os da escola onde ela estuda.

Por enquanto, os exames laboratoriais iniciais permitiram somente o diagnóstico de meningite bacteriana, sem especificar qual o tipo. A Secretaria Municipal de Saúde afirma estar mantendo as ações regulares de acompanhamento e vigilância de casos suspeitos e confirmados. "Não há surto ou epidemia da doença em nossa cidade, por isso não há motivo para pânico", informou a pasta, que pede ainda à população para não disseminar nas redes sociais informações não oficiais.

Processo inflamatório

A meningite é um processo inflamatório das meninges, membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Pode ser causada por diferentes bactérias, vírus e até fungos e o risco de infecção é maior entre crianças menores de cinco anos, embora possa acontecer em qualquer idade. A transmissão ocorre por vias respiratórias.

Os sintomas da doença variam e incluem febre, mal estar, náusea, vômito, fotofobia (aumento da sensibilidade à luz), entre outros. As formas mais graves, causadas na maioria das vezes por alguns tipos da bactéria meningococo, podem levar à morte. No Brasil, casos de meningite são registrados ao longo de todo o ano, com alguns surtos ocasionais.

No primeiro semestre desse ano, a ocorrência de meningite em presídios do estado do Rio de Janeiro demandaram medidas emergenciais para impedir um surto. A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) chegou a organizar uma audiência pública onde foram apontados fatores que facilitariam a transmissão de doenças, como a superlotação das unidades penitenciárias e os problemas estruturais nas celas.

A baixa circulação do ar em ambiente confinados facilita a transmissão de enfermidades respiratórias.

A principal forma de prevenir a meningite é por meio da vacinação. No Sistema Único de Saúde (SUS) é ofertada gratuitamente a vacina pentavalente, recomendada para recém-nascidos e responsável pela proteção contra cinco doenças, entre elas a meningite causada pela bactéria Haemophillus influenzae, a mais prevalente no país. Nos últimos meses, porém, houve desbastecimento em postos de saúde em diferentes regiões do país. A situação ainda não é estável, mas novas doses estão sendo distribuídas neste mês pelo Ministério da Saúde. Uma alternativa tem sido recorrer à rede privada, onde há ainda imunizantes que protegem contra outros tipos de meningite bacteriana.

 

DÊ SUA OPINIÃO SOBRE A QUALIDADE DO CONTEÚDO ACESSADO.

Clique no botão abaixo e envie uma mensagem através do formulário do nosso site.
Dessa forma, você poderá nos ajudar a melhorar nossos conteúdo e serviços, sugerindo, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Fontes:

Agência Brasil

O conteúdo do site, como textos, gráficos, imagens e outros materiais são apenas para fins informativos e não substitui o conselho médico profissional, diagnóstico ou tratamento.